Campo Grande/MS, Domingo, 26 de Setembro de 2021 |
27˚
(67) 3042-4141
Saúde
Sexta-Feira, 18 de Dezembro de 2020, 12h:11
Tamanho do texto A - A+

Instituto Butantã recebe mais 2 milhões de doses de CoronaVac

Lote completa número suficiente para vacinar grupo prioritário na primeira fase

Rogério Vidmantas
Capital News

GESP

Coronavac Coronavírus

Lote de 2 milhões de dose da vacina contra covid-19 chegou na manhã desta sexta

O Instituto Butantã recebeu nesta sexta-feira (18) mais 2 milhões de doses de coronavac. O terceiro lote da vacina contra a covid-19 desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac chegou à São Paulo completando até agora um total de 3,12 milhões de doses do imunizante. O Butantã deve pedir autorização para uso emergencial da coronavac à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) na próxima quarta-feira (23).

 

Essas doses já disponíveis são suficientes para imunizar o primeiro grupo prioritário definido no programa de vacinação do Estado de São Paulo. Nesta fase estão os profissionais de saúde, quilombolas e indígenas, um total de 1,5 milhão de pessoas. A coronavac é aplicada em duas doses com um período de 21 dias entre elas.

 

A intenção do Instituto Butantã é ter até 15 de janeiro pelo menos 9 milhões de doses à disposição, dez dias antes da data estipulada pelo governo paulista para o início da vacinação, segundo o diretor do Butantã, Dimas Covas.

 

No início de dezembro, o Butantã recebeu 600 litros de insumos para fabricação da Coronavac. Cerca de 40 milhões de doses devem ser produzidas pelo instituto até o fim de janeiro.

 

Fase 3

 

A Anvisa aguarda a entrega dos dados referentes a terceira fase dos testes feito com a coronavac. O Instituto Butantã havia prometido a entrega dessas informações para a última terça-feira (15), mas adiou uma semana para que isso fosse feito no mesmo dia que a Sinovac irá entregar a mesma informação para o National Medical Products Administration (NMPA), a equivalente da China. Os dados da fase 3 vão mostrar qual a eficácia da coronavac no combate à covid-19. As fases anteriores mostraram que a vacina é segura e capaz de produzir respostas imunes.

 

Nesta quinta-feira (17), em audiência no Senado, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse que o governo federal iniciou negociação com a Sinovac e o Butantã para garantir lote de até 9 milhões de doses em janeiro, podendo iniciar vacinação em meados de fevereiro.

 

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix