Campo Grande/MS, Domingo, 07 de Março de 2021 |
27˚
(67) 3042-4141
Cotidiano
Sábado, 16 de Janeiro de 2021, 11h:02
Tamanho do texto A - A+

Caminhoneiros podem mais uma paralisação

Insatisfeito com o preço do diesel e outras insatisfações

Laryssa Maier
Capital News

Cedida / Pablo Centenaro Thomaz

paralisação, caminhoneiros, greve

Paralisação dos caminhoneiros

A greve dos caminhoneiros, que está prevista para acontecer no próximo dia 1º de fevereiro, vem acumulando adesões e poderá ser maior do que a realizada em 2018. De acordo com o presidente da Associação Nacional do Transporte Autônomos do Brasil (ANTB), José Roberto Stringasci.

 

Insatisfeitos com o preço do diesel e das promessas não cumpridas após a histórica greve no governo Temer. As dúvidas sobre a paralisação ocorrer durante a pandemia foram sanadas após a declaração do ANTB, que afirma não vê problema de realizar uma greve nesse período. 

 

A Associação representa cerca de 4,5 mil caminhoneiros. “A pandemia nunca foi problema. A categoria trabalhou para cima e para baixo durante a pandemia. Muitos caminhoneiros ficaram com fome na estrada com os restaurantes fechados, mas nunca parou”, afirma Stringasci.

 

Stringasc destaca que conquistas obtidas na paralisação de 2018, que chegou a prejudicar o abastecimento em várias cidades, também estão na lista de dez itens que estão sendo reivindicados pelo governo para evitar a greve. “Esse (diesel) é o principal ponto, porque o sócio majoritário do transporte nacional rodoviário é o combustível (50% a 60% do valor da viagem) Queremos uma mudança na política de preço dos combustíveis”, informa. “Eu creio que a greve pode ser igual a 2018. A população está aderindo bem, os pequenos produtores da agricultura familiar também. Se não for igual, eu creio que vai ser bem mais forte do que 2018”.

 

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix