Campo Grande/MS, Segunda-Feira, 19 de Outubro de 2020 |
27˚
(67) 3042-4141
ENTREVISTA
Sábado, 17 de Outubro de 2020, 08h:05
Tamanho do texto A - A+

Harfouche fala em "valores" para nortear sua administração

“Meu desafio foi sempre a prevenção, ‘chegar antes da bala’”, diz candidato do Avante

Elaine Silva
Capital News

Divulgação/Assessoria

Sérgio Harfouche

Candidato a Prefeitura da Capital Sérgio Harfouche

 

No dia 15 de novembro acontece o primeiro turno das eleições 2020, neste ano para vereador e prefeito. Para apresentar os candidatos que concorrem a cadeira no Poder Executivo, o jornal Capital News, vai realizar uma série de reportagens, para mostrar os 14 políticos que buscam a Prefeitura da Cidade Morena.

 

Sérgio Fernando Raimundo Harfouche, mais conhecido como Sérgio Harfouche, tem 57 anos é jurista brasileiro membro do Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul (MPMS). Candidato pelo Avante, Harfouche concorre a Prefeitura de Campo Grande com o número 70. Harfouche ganhou reconhecimento por sua atuação na defesa dos direitos da criança e do adolescente. "Meu desafio foi sempre a prevenção, ‘chegar antes da bala’, porque a violência que começa na escola vira um problema de toda a sociedade, que hoje já enfrenta outros problemas com serviços públicos deficitários em áreas como saúde e infraestrutura", relatou Sérgio. 

 

Com 28 anos, participando do MPMS, sua corrida pelo Poder Executivo da Capital, não está em pilares, mas sim em valores: “Não falamos em prioridades ou pilares, mas sim em valores que vão nortear uma Administração comprometida em estruturar políticas públicas, que funcionem e tragam alívio ao campo-grandense”. Harfouche ainda complementa informando que é necessário ter foco. “Precisamos de foco na eficiência na aplicação dos recursos públicos, transparência e fim dos mandos e desmandos que hoje prejudicam os servidores que prestam um bom trabalho em todas as secretarias, seja Saúde, Educação, Infraestrutura ou qualquer outra. Essas são as mais afetadas, mas todas têm que ser mais bem estruturadas”. 

 

Sergio ainda informa que mesmo ‘acolhedora’, a cidade precisa de uma olhar mais 'sensível' do Poder Executivo. “Campo Grande é uma cidade acolhedora, que encanta quem vem de fora, mas precisa de um olhar mais sensível da Administração àqueles que podem, com o seu trabalho, fortalecer a economia, que são os micro, pequenos, médios, grandes empresários. Temos alguns problemas como a burocracia, inclusive no setor de eventos. Até hoje não se tem um sistema centralizado e informatizado para o promotor de eventos, enfim diversas demandas do setor de entretenimento que o poder público precisa dar atenção e promover melhorias”, diz Harfouche. 

 

Confira a entrevista exclusiva de Sérgio Harfouche ao Capital News na íntegra:

 

Capital News: Candidato, porque o senhor se acha preparado para ser Prefeito de Campo Grande ?

 

Harfouche:Sou um cidadão preocupado com os rumos das políticas públicas adotadas pela gestão da Capital. Sou membro do Ministério Público de Mato Grosso do Sul, há 28 anos, órgão que luta pelos direitos dos cidadãos, da criança, do adolescente, do idoso, do consumidor, do aposentado, do incapaz, da família, do trabalhador, protegendo o meio ambiente e o patrimônio público, além de fiscalizar a moralidade no serviço público, abrangendo todas as áreas de que necessita a sociedade para sobreviver. 

 

Nesses anos, conheci a realidade de diversas famílias, por meio de um trabalho na busca por resgatar os papéis de educadores, pais e alunos para prevenir e combater a evasão e a violência nas escolas. Meu desafio foi sempre a prevenção, ‘chegar antes da bala’, porque a violência que começa na escola vira um problema de toda a sociedade, que hoje já enfrenta outros problemas com serviços públicos deficitários em áreas como saúde e infraestrutura.  

 

Enfim, estou atendo a tudo isso e não estou sozinho. Esta candidatura conta com o apoio de um partido idôneo e temos ainda como candidato a vice-prefeito o Agente de Polícia Federal e hoje vereador André Salineiro, um nome limpo, que tem trabalhado em prol da cidade, um especialista em Segurança Pública, que tem marcado seu mandato por atuar em diversas áreas. 

 

O que nos faz preparados para esta empreitada é, sobretudo, a vontade de renovar essa prefeitura, aliada a capacidade técnica de outras pessoas que estão conosco.

 

Capital News: Quais são seus 5 pilares principais no seu plano de Governo, caso seja eleito nessas eleições de 2020 ? Detalhe na sua ordem de prioridade o que acha que tem que melhorar para a população de Campo Grande.

 

Harfouche: Não falamos em prioridades ou pilares, mas sim em valores que vão nortear uma Administração comprometida em estruturar políticas públicas, que funcionem e tragam alívio ao campo-grandense. O norte do nosso projeto é pensar nas pessoas, ou seja, nas famílias, nos empreendedores, nos autônomos e no contribuinte, de modo geral. Precisamos de foco na eficiência na aplicação dos recursos públicos, transparência e fim dos mandos e desmandos que hoje prejudicam os servidores que prestam um bom trabalho em todas as secretarias, seja Saúde, Educação, Infraestrutura ou qualquer outra. Essas são as mais afetadas, mas todas têm que ser mais bem estruturadas.  

 

Capital News: Quantos vereadores acha que é possível eleger na sua chapa ? E não tendo a maioria de apoiadores eleitos na Câmara da Capital, como será sua gestão com todos os eleitos ?

 

Harfouche: Vamos lutar para eleger o máximo que pudermos, embora não tenhamos como prever o resultado. Se eleito, farei uma gestão aberta ao diálogo e com respeito àqueles que foram eleitos pela população, independentemente de partido.  

 

Capital News: As demandas na saúde e seus problemas aumentaram nessa Pandemia do Coronavírus, e ainda temos a constante falta médicos e enfermeiros. Qual seu plano de Governo para acabar com esses números e com as filas nos atendimentos das UPAS ?

 

Harfouche:  A prioridade a ser atendida e a da resolutividade: as coisas não se resolvem. Hoje, constatamos um tempo de espera exagerado para agendamento das consultas. A população muitas vezes, busca atendimento somente em última instância nas UPAs, porque o na UBS é desanimador. A pessoa tem que ir um dia para marcar, outro dia para ser atendido, esperar um tempo absurdo. Temos unidades que, antes da pandemia, já atendiam no máximo oito pessoas por dia. Como assim? Temos que ver o que está acontecendo e, sobretudo, investir em capacitação continuada, que hoje nem sempre a formação atende demandas específicas que o servidor precisa aperfeiçoar para aumentar a sua eficiência; temos que valorizar o servidor; alavancar a relação com universidades e institutos de pesquisa e município para o aperfeiçoamento de boas práticas; desburocratizar o acesso das pessoas aos serviços de saúde e meio ambiente; ampliar o atendimento nas UBSF; tomar decisões em saúde integrada ao meio ambiente e avaliar ações em saúde e meio ambiente para uma constante melhoria nas práticas. 

 

Capital News: Qual seu projeto concreto para revitalização da antiga rodoviária e seu entorno ?

 

Harfouche: Tenho um projeto concreto de resgatar ‘a vida’ daquele lugar, porém vem de uma análise que faço enquanto cidadão e a partir dos anseios da população do entorno e dos empresários que ali estão. Se eleito, devo fazer um estudo para ouvir essas pessoas enquanto prefeito e aí expor a eles, em primeira mão, esse projeto. Apesar de ser um projeto muito bem estruturado, preciso falar dele primeiramente com os empresários que hoje são responsáveis por maior parte do espaço. 

 

Capital News: Como o senhor define a cidade de Campo Grande, sua economia em geral e seus pontos de entretenimento para população. Quais os três lugares que mais gosta e frequenta com a sua família.

 

Harfouche: Campo Grande é uma cidade acolhedora, que encanta quem vem de fora, mas precisa de um olhar mais sensível da Administração àqueles que podem, com o seu trabalho, fortalecer a economia, que são os micro, pequenos, médios, grandes empresários. Temos alguns problemas como a burocracia, inclusive no setor de eventos. Até hoje não se tem um sistema centralizado e informatizado para o promotor de eventos, enfim diversas demandas do setor de entretenimento que o poder público precisa dar atenção e promover melhorias.

 

Junto a minha família, costumo frequentar a igreja, inclusive aquelas para as quais sou convidado, em várias regiões da cidade. Também gosto muito de frequentar feiras livres, além de cinemas e restaurantes, em diversas regiões da Capital.

 

Conheça o porquê Sergio Harfouche quer ser prefeito da Capital; confira o vídeo 

 

 

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix