Campo Grande/MS, Quinta-Feira, 19 de Julho de 2018 | 05:22
27˚
(67) 3042-4141
Reportagem Especial
Segunda-Feira, 14 de Maio de 2018, 18h:34
Tamanho do texto A - A+

Exploração sexual: afetividade e cuidados na abordagem são fundamentais para atendimento às vítimas

Psicanalista e coordenadora do Projeto Nova, Viviane Vaz, explica como identificar e agir em casos da descoberta de abusos

Flávio Brito
Capital News

Prefeitura Municipal de Altair-SP

Afetividade e cuidados na abordagem são fundamentais para atendimento às vítimas

..

Durante este mês, haverá uma programação especial em todo o Mato Grosso do Sul, com realização de audiência pública, palestras em instituições de ensino e divulgação de conteúdos específicos sobre o tema. Todas as ações fazem parte da campanha “Maio Laranja”, de combate ao abuso e à exploração sexual de crianças e adolescentes. Com o tema “O Amor é a Maior Proteção”, o intuito é diminuir os índices de violência através da conscientização coletiva.

 

Um dos destaques, é a cartilha “A culpa não é minha”, que de maneira didática mostra aos jovens como identificar e denunciar os abusos. O material também pode ser acessado online. A publicação, de autoria de Viviane Vaz, conta a história da personagem Clara, abusada por um membro da própria família. A narrativa mostra as angústias da menina, as alterações em seu comportamento e a iniciativa em contar o abuso a alguém de sua confiança.

 

“Precisamos conversar com nossas crianças e acreditar naquilo que elas nos dizem, pois muitos ainda não acreditam”, explicou a autora, que também é coordenadora do Projeto Nova – instituição que promove ações para ajudar pessoas envolvidas na exploração sexual, vitimizadas pela violência (física, sexual e psicológica), expostas a drogas, entre outras situações.

“Precisamos conversar com nossas crianças e acreditar naquilo que elas nos dizem, pois muitos ainda não acreditam”

 

“Nas abordagens para prevenção de abuso e exploração infantil, para com crianças de 06 a 12 anos, usamos uma linguagem lúdica, falando sobre o corpo, quanto ele é precioso 'só dela’, falamos que o corpo também tem partes que são íntimas ‘que só você pode pegar’, que privacidade é muito importante, e também que temos que respeitar o corpo do outro”, explica Viviane, sobre este importante e necessário trabalho desenvolvido por ela. 

 

“Falamos sobre ‘toques bons e toques ruins’, que o nosso coração funciona como um alerta para nos mostrar se algo é bom ou ruim para nós, e que quando toques deixam o coração triste é preciso compartilhar com alguém para ajudar, identificar sentimentos”, completa a  psicanalista e coordenadora do Projeto Nova, que é referência em assistência às famílias das crianças vítimas de abuso sexual, em Campo Grande.

Denilson Secreta

Afetividade e cuidados na abordagem são fundamentais para atendimento às vítimas

Viviane Vaz

 

“Para adolescentes". é possível usar uma linguagem mais aberta e falar sobre os perigos da internet e cibercultura, cuidados com os nudes, cuidado com as brincadeiras e piadinhas acerca do outro, sobre respeito às leis e ao próprio desenvolvimento humano, da qual o adolescente está passando. Cuidados sobre os perigos de pessoas induzirem/seduzirem para exploração e tráfico humano. Também abordamos sobre ideação suicida, automutilação e as demais consequências do abuso”.

 

“Para os pais e educadores é necessário instruir para perceber os sinais que a criança traz. Afinal a criança muitas vezes não tem noção do que os abusos podem causar, e fala através do comportamento”, completa.

 

SINAIS NA CRIANÇA

    • Sequelas físicas (marcas, dores, DST)

    • Mudanças emocionais bruscas; 

    • Dificuldade de ligação afetiva e amorosa;

    • Sexualização exacerbada; 

    • Dependência química (esquecer a dor);

    • Baixa Auto-estima, auto-imagem distorcida; 

    • Teme alguém em particular;

    • Choro sem motivo aparente; 

    • Sentimento de estar suja; 

    • Cobrir excessivamente o corpo;

    • Intenção de suicídio;

    • Alteração no controle de materiais fecais;

    • Condutas auto-agressivas;

    • Distúrbios no sono e/ou apetite;

    • Comportamento regredido;

    • Dificuldades nas atividades escolares;

 

 O QUE FAZER

    • Não falar do que “eu suspeito” com a criança. Apenas fazer perguntas.

    • Falar do que é concreto não de hipóteses 

    • Observação no relacionamento com a família, dialogar sem “achismos” 

    • Não reagir de maneira a trazer mais angústia para a criança.

    • Não a repreenda se o abuso ocorreu porque ela desobedeceu a regras básicas 

    • Procure apoio em sigilo (amigos, conselheiros, profissionais, policiais, etc.)

    • Jamais exponha a história da criança para terceiros

    • Procurar o Conselho Tutelar

    • Crie segurança para que não aconteça novamente 

    • Acima de tudo proteger a criança!!!

 

Nosso desafio é transformar o ciclo de violência e agressividade num ciclo de afetividade.

O art. 4º do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA, Lei Nº 8069/90), assegurado pelo art. 227 da Constituição Federal de 1988, aponta que assegurar à criança e ao adolescente os seus direitos é dever:

    • da família

    • da sociedade 

    • do Estado

Divulgação

Afetividade e cuidados na abordagem são fundamentais para atendimento às vítimas

Viviane Vaz e Herculano Borges

Divulgação/Acrissul

Afetividade e cuidados na abordagem são fundamentais para atendimento às vítimas

Viviane e o governador Reinaldo Azambuja

.

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix