Campo Grande/MS, Domingo, 25 de Outubro de 2020 |
27˚
(67) 3042-4141
ENTREVISTA
Quarta-Feira, 25 de Março de 2020, 14h:43
Tamanho do texto A - A+

Blinde sua mente! Psicanalista fala sobre cuidados com a saúde mental durante a pandemia

Viviane Vaz explica consequências negativas do isolamento social e sugere medidas simples para evitá-las

Hélder Rafael
Capital News

Arquivo pessoal

Viviane Vaz

Viviane Vaz, psicanalista

 

Em tempos de contágio pelo novo coronavírus, as pessoas têm buscado prevenção à saúde do corpo: lavando as mãos, evitando aglomerações, tendo hábitos alimentares mais saudáveis. Mas e como fica a saúde da mente? Principalmente nesse momento, em que países estão de quarentena e populações inteiras precisam ficar isoladas?

 

Para falar sobre os cuidados com a saúde mental durante a pandemia, o Capital News entrevistou a psicanalista Viviane Vaz. Ela também é bacharel em Missiologia, e desde 2001 atua como missionária da Primeira Batista de Campo Grande. 

 

Viviane já publicou o livro “Infância amputada – o cuidado de vítimas de violência sexual e prostituição” e coordena o Projeto Nova, que atende vítimas de abuso e exploração sexual desde 2011. Ocupa a cadeira 16 da Academia Feminina de Letras e Artes de Mato Grosso do Sul

 

A autora também oferece um e-book gratuito com orientações sobre proteção emocional (baixe o livro aqui). 

 

Capital News - Quais são as consequências negativas que o isolamento social pode trazer à nossa saúde mental?

 

Viviane Vaz - O isolamento social compulsório pode parecer clausura, uma parada na vida, uma frieza nas relações, proibição de ir e vir, perda da liberdade, falência financeira, afeto e atenção das pessoas que amam, tão essenciais para a humanidade. 

 

Quarentena como enfrentamento à pandemia é uma proposta de que cada um possa estar contribuindo para a prevenção da contaminação tanto para você quanto para os que estão ao seu redor

Em alguns casos, o medo da pobreza, sentimentos de abandono e desamparo, desproteção, delírios e pensamentos de perseguição, sentimentos de morte, o pavor do desconhecido diante das informações apresentadas diariamente são constantemente invadidos em sua mente. Alguns fatores comuns no isolamento se agravam, como a baixa autoestima, o apego ao passado, medo do futuro, a ansiedade e a escassez de relacionamentos saudáveis. 

 

Capital News - O que acontece no nosso organismo quando experimentamos esses sentimentos de medo da epidemia e incertezas sobre o futuro?

 

Viviane Vaz - Tendência a reagir com ansiedade, culpabilização, raiva gerados nesse processo, repetição incessante de uma sensação de medo ou dor. 

 

No corpo pode acontecer de o coração ficar acelerado demais, suor excessivo; tremedeira, músculos contraídos; respiração ofegante, sensação de falta de ar; náuseas; desconforto abdominal e até diarreia; tonturas, vertigem ou desmaios; dificuldade de acalmar e ter sono profundo.

 

Capital News - Qual a diferença entre quarentena e isolamento, sob o ponto de vista da medicina?

 

Viviane Vaz - Isolamento social é quando a troca relacional deixa de acontecer e a pessoa isolada se tranca em sua própria mente, sem o outro para apresentar novas perspectivas. Algumas pessoas se isolam socialmente por inúmeras questões como timidez, ansiedade, depressão, fobia social. 

 

Não use a comida, o fumo, o álcool ou outras drogas para lidar com suas emoções.

Já a quarentena como enfrentamento à pandemia é uma proposta de que cada um possa estar contribuindo para a prevenção da contaminação tanto para você quanto para os que estão ao seu redor. Tempo de cuidado de cada um fazer sua parte em favor do coletivo. É diferente de sentir medo ou coragem em relação ao vírus. 

 

Capital News - Quais ações simples podemos tomar no dia a dia para evitar as consequências negativas do isolamento social?

 

Viviane Vaz - Mantenha um estilo de vida saudável - incluindo dieta adequada, sono, exercícios; Mantenha contatos sociais através da internet. Não use a comida, o fumo, o álcool ou outras drogas para lidar com suas emoções. Tenha fontes de informações confiáveis que você possa tomar precauções como: o site da OMS ou agência de saúde local ou estadual. 

 

Não espalhe fake news. Limite o tempo na TV ou celular, evitando a preocupação e a agitação. Pratique o autocuidado. Procure ler livros que possam alimentar sua mente de maneira positiva! Seja criterioso na escolha das atividades a realizar, fazer nada também não é bom! Assista filmes com mensagens de superação: Blinde sua mente! 

Luciana Nassar/ALMS

Audiência Pública gera documento visando combate à Exploração Sexual Infantil

Psicanalista Viviane Vaz

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix