Campo Grande/MS, Sábado, 30 de Maio de 2020 |
27˚
(67) 3042-4141
Opinião
Terça-Feira, 07 de Janeiro de 2020, 07h:00
Tamanho do texto A - A+

Prevenção ao abuso sexual durante as férias de verão

Por Viviane Vaz*

Artigo de responsabilidade do autor
Envie seu artigo para opiniao@capitalnews.com.br

Durante o período de férias escolares é muito comum as famílias se reunirem com seus parentes próximos e distantes. Momentos de muita festa e também de muita gente no mesmo ambiente, Isso tudo, geralmente vem ligado ao consumo excessivo de álcool. Se nós incluirmos o verão do nosso pais que é intenso onde as pessoas procuram se refrescar o máximo possível em piscinas, rios e mar, ficando com poucas roupas proporcionando assim uma vulnerabilidade ainda maior para as crianças e adolescentes.

Divulgação

Viviane Vaz - Artigo

Viviane Vaz

 

Em média 54% das vítimas de violência sexual registradas tinham até 13 anos de idade, pelo menos 76% dos agressores eram conhecidos das vítimas, estes dados são do Fórum Brasileiro de Segurança Publica. Considerando o fato de que os principais agressores são do ambiente familiar, é importante não terceirizar os cuidados dos seus filhos a outrem, seja ele quem for.

 

Alguns cuidados e orientações que podem ajudar a evitar que esse crime aconteça!


1. Ensine sobre privacidade - é importante que cada pessoa seja adulto ou criança, tenha direito a se trocar num local privado.

2. Ensine quais são as partes do corpo que são intimas e que intimo quer dizer que é só dela, e só ela pode tocar;
3. Ensine sobre respeito ao corpo do outro, para que não haja piadinhas a cerca da sexualidade de alguém.
4. Tenha dialogo aberto para que a criança sinta confiança em te contar caso aconteça alguma situação ruim.
5. Não permita que tirem fotos de crianças e adolescentes com suas partes intimas expostas, jamais compartilhe fotos contendo partes intimas de alguém, mesmo que seja um bebê.

6. Crianças não podem estar em ambiente onde adultos tem relação sexual, por mais que estejam dormindo, isso também é crime e causa sequelas para o resto da vida da criança.
7. Preste atenção aos seus filhos, as crianças que estão ao redor, com quem e do que estão brincando.
8. Não force seu filho a abraçar ou beijar quem ele não gosta, respeite a decisão dele. Você pode ensinar a ser educado sem que ele precise tocar nas pessoas que ele não deseja.
9. Supervisione o que o seu filho está acessando pela internet, muitos crimes sexuais tem tido inicio pelas redes sociais.
10. Não dispense o uso da roupa de banho mesmo durante as brincadeiras ou banhos coletivos, por menor que seja a criança.

 

Se perceber algum sinal ou comportamento diferente no seu filho, converse com amor e carinho, sem induzir respostas ou sugerir hipóteses, mas dando a ele a segurança de que ele pode contar tudo de maneira sincera e verdadeira. Ouça e acredite nela!

 

Caso tenha acontecido algum abuso sexual, procure o mais rápido possível, delegacias ou conselho tutelar da região. Você pode procurar ajuda de algum profissional da psicologia que poderão orientar como conversar com seu filho.

 

 

*Viviane Vaz
Psicanalista, Missiologa, Escritora,
Coordenadora do Projeto NOVA vivi.vaz@gmail.com
www.projetonova.com

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix