Campo Grande/MS, Sexta-Feira, 27 de Maio de 2022 |
27˚
(67) 3042-4141
Cotidiano
Terça-Feira, 12 de Junho de 2018, 08h:37
Tamanho do texto A - A+

Com valores já estabelecidos, posto de combustíveis é flagrado em cobrança abusiva

Preço da gasolina, por exemplo, deve ter variação de R$ 4,19 a R$ 4,39

Laura Holsback
Capital News

A Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor (Procon) começou operação para fiscalização dos preços que estão chegando ao consumidor final nos postos de combustíveis de Campo Grande. A medida acontece na semana seguinte da reunião em que ficaram definidos valores máximos a serem cobrados, em decorrência de exigência feita por caminhoneiros.

Arquivo/Agência Brasil

Temer convoca reunião para discutir alta no preço dos combustíveis

 

 

O Procon Estadual e o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo e Lubrificantes MS (Sinpetro) definiram que os postos de Campo Grande poderiam operar com o preço da gasolina com variação de R$ 4,19 a R$ 4,39, e o valor do etanol, de R$ 3,19 a R$ 3,29. Esses valores valem para as compras à vista ou no cartão de débito. A fiscalização em andamento foi iniciada no dia 1º de junho e aponta, após o auto de constatação feito em 29 dos 153 estabelecimentos, que ainda se pratica preços abusivos.

 

Um posto de combustíveis que na avenida Mato Grosso e foi fiscalizado segunda-feira (11) é exemplo do abuso. O litro da gasolina comum estava sendo vendido a R$ 4,499, e a aditivada, a R$ 4,689. Já o etanol, a R$ 3,395 (dentro da média estabelecida), e o óleo diesel, a R$ 4,175. Última pesquisa da Agência Nacional do Petróleo (ANP) apontou o preço médio do diesel em R$ 3,599 na Capital.

 

Conforme o Governo de MS,  são exigidos das empresas as notas de entrada e saída dos combustíveis e cupons de revenda dos produtos ao consumidor. O objetivo é verificar  “se os preços praticados estão dentro de uma margem legal”, conforme explica o assessor jurídico Erivaldo Marques Pereira. Os postos têm 10 dias para apresentar a documentação.

 

“Estamos desenvolvendo duas frentes de trabalho com o propósito de autuar os estabelecimentos que estão descumprindo o acordo e apresentar à sociedade parâmetros de preços praticados pelos mesmos, por meio da fiscalização e uma pesquisa de valores feita na bomba”, diz. 

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix